Serra do Mar

Seja qual for o caminho escolhido, em cada passo sempre há encantos e mistérios que despertam a curiosidade do visitante, como as trilhas do Guaecá e da Praia Brava, cuja trilha faz parte de uma área de proteção especial, localizada entre os bairros de Maresias e Boiçucanga, onde a serra do Juqueriquerê constitui um importante corredor biológico.A Serra do Mar também reserva lugares quase místicos, como o Sítio Arqueológico de mais de 200 anos de história, localizado a 260 m de altura, ruínas de uma enorme e rica fazenda de escravos, de extrema beleza, oferece uma vista magnífica do tradicional bairro São Francisco, antiga vila de pescadores. A mata que envolve São Sebastião protege um grande tesouro: a reserva indígena Rio Silveira, no bairro de Boracéia, – habitada por índios guarani, que segundo registros etnológicos datados de 1820, pode ser considerada uma das mais antigas do Estado de São Paulo.

 

Mar Caiçara

O desenvolvimento da cidade sempre esteve ligado ao movimento da maré. No início da colonização, o calado natural da baía, há 507 anos, transformou a cidade em uma rota importante para o comércio de minérios e especiarias.O novo boom econômico da cidade ocorreu com a chegada do Terminal Marítimo Almirante Barroso da Petrobrás com seus navios petrolíferos.Hoje, as praias, que atraem milhares de turistas, durante todo o ano. A maior colônia de pesca fica no bairro São Francisco, logo na chegada ao município, que com ruas estreitas e casas simples é um convite a relaxar e esquecer de todos os problemas.



Informações

www.saosebastiao.sp.gov.br

www.camarasaosebastiao.com.br

www.imprensalivre.com

São Sebastião, município mais antigo do litoral paulista, foi descoberto por Américo Vespúcio, em 20 de janeiro de 1502. Para contar a história da ocupação européia na cidade é preciso voltar a esse tempo, quando foi construída a Igreja Matriz, em devoção ao santo que batizou a pequena comunidade de pescadores.As famílias portuguesas mais abastadas, seguindo o costume da época, construíram suas propriedades ao redor do prédio religioso, dando origem a um importante conjunto arquitetônico, com 29 edifícios tombados pelo Condephaat – Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Artístico, Arquitetônico e Turístico do Estado.

Construídos com cal de conchas, óleo de baleia e pedra da costeira alguns desses casarios estão abertos à visitação.À medida que a religião católica conquistava novos adeptos, acelerava o desenvolvimento da cidade. Até que foi construída a torre da Igreja Matriz, fato fundamental para que povoado fosse elevado à categoria de Vila, conseguindo então, sua emancipação política e econômica, em 16 de março de 1636. Para conhecer, realmente, a cidade de São Sebastião uma opção é começar desbravando os mistérios que se escondem em meio a Serra do Mar, onde a riqueza da fauna e da flora há muito tempo era domínio apenas dos Tupiniquins e Tupinambás. 

A área, protegida por lei ambiental, representa 84% do território de São Sebastião e, sem dúvida, é uma rota obrigatória para os amantes do ecoturismo e de esportes radicais. Nos meses de dezembro a janeiro, a mata desperta para um fenômeno natural que os caiçaras chamam de florada do Guapuruvu, quando o verde absoluto é invadido por um amarelo, que irradia força e energia.

Cidade de São Sebastião